Colégio Júlio de Castilhos

"Serão tomadas as mais rígidas providências possíveis", diz secretário de Educação 

Secretário de Educação Ronald Krummenauer promete ações efetivas para estancar a venda e o consumo de drogas na mais tradicional escola pública do Estado 

Por Jeniffer Gularte
21/08/2017 - 11h23min
Compartilhar:

Em entrevista à Rádio Gaúcha na manhã desta segunda-feira, o secretário de Educação Ronald Krummenauer prometeu tomar providências o mais breve possível para acabar com a venda e o consumo de drogas dentro do Colégio Júlio de Castilhos. Reportagem do Grupo de Investigações da RBS (GDI) fez flagrantes de tráfico de entorpecentes nos meses de julho e agosto dentro do pátio da escola pública mais tradicional do Estado, em Porto Alegre.

Leia mais:
Colégio público tem rotina de tráfico e consumo de drogas entre alunos
"É muito folclore", diz diretora sobre tráfico no Colégio Júlio de Castilhos

No começo da tarde, Krummenauer irá se reunir com a 1ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) e o jurídico da secretaria para avaliar medidas emergenciais:

— Me sinto muito mal ao ver isso, mesmo que não seja uma surpresa essa situação do Julinho. Mas hoje um dos grandes motivos de evasão escolar é o tráfico de drogas. Esse é um problema sério. 

Publicidade


A escola com 2,2 mil alunos, que tem uma extensa área física no bairro Santana, possui cinco monitores para monitorar a circulação dos estudantes:

— Provavelmente, o número de monitores que tem lá não é suficiente. A primeira providência a ser tomada ainda hoje é em relação a isso, é de revermos o número de pessoas que devem dar esse tipo de segurança. O monitor deve, entre outras atribuições, observar o pátio da escola e pelo relato da reportagem isso não está acontecendo.

Ele também reconheceu o problema das escolas da Capital serem as únicas a não participarem das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes e Violência Escolar (Cipave), que discutem e orientam ações dentro das instituições de ensino. Para ele, uma das medidas necessárias é rever este cenário junto a 1ª CRE e as direções das escolas:

— A partir dessa reportagem se abre uma oportunidade de revermos a maneira como estamos tratando a segurança das escolas e principalmente essa circulação de pessoas. Isso é inaceitável como sociedade. Eu agradeço o fato dessa matéria ter tornado isso público, vamos tomar as providências necessárias.

Outro ponto necessário, segundo o secretário, é pedir auxiliar à Secretaria de Segurança Pública para pensar abordagens diferenciadas para as principais escolas da Capital:

— Minha preocupação maior é como estancar o problema e trabalhar com a prevenção. Serão tomadas as mais rígidas providências possíveis. 

Compartilhar:

Publicidade