Opinião

Leonardo Oliveira: o Grêmio que montaria para encarar o Botafogo se eu fosse o Renato

Técnico precisa escolher os substitutos de Michel, suspenso, e Luan

Por Leonardo Oliveira
12/09/2017 - 08h03min
Compartilhar:
Foto: Lucas Uebel / Divulgação Grêmio / Divulgação Grêmio

O Grêmio precisa sair ileso do Engenhão, trazer a decisão para a Arena, talvez com Luan inteiro e organizando o time do meio para a frente. Por isso, se fosse Renato Portaluppi, além de tomar um chope com colarinho sentado e admirando a paisagem em um bar de Ipanema, montaria um Grêmio agudo para encarar o Botafogo. Nada de Jaílson, um volante que começou 2017 em busca de afirmação e ainda não se definiu como jogador. Em vez dele, colocaria Everton no lugar de Luan

Publicidade

Essa decisão repercutiria em quase todas as posições do meio para a frente, é verdade. Mas tornaria o Grêmio veloz e lancinante pelos lados, com  Fernandinho pela direita e Everton pela esquerda. No meio, Léo Moura. Atrás deles, Ramiro e e Arthur, dois volantes de boa saída. O Botafogo usa bem as saídas pelos lados. Victor Luis, uma das boas revelações estará suspenso, mas Jair Ventura contará com Gílson, que também é ofensivo. 

Leia mais:  
Eduardo Gabardo: Luan está fora do jogo do Grêmio contra o Botafogo
Quem são os cotados para assumir a vaga de Luan contra o Botafogo
Bolzan: derrota de sábado "acendeu sinal" para que Grêmio jogue "tudo o que pode" contra o BotafogoTorcedor Gremista ZH: sem Luan contra o Botafogo, fecho por um empate agora. E só espero o jogo de volta 

Os cariocas sabem que o jogo do Engenhão é fundamental para seguir adiante. Será única a oportunidade de enfrentar o Grêmio com Geromel recém voltando de lesão, sem Michel e, possivelmente, sem Luan. Jair Ventura também sabe que, na Arena, a força da torcida vai fazer a diferença. Aposto que, diante desse cenário, o Botafogo será audacioso. Sem perder seu aguerrimento e sua disciplina, é verdade. Mas nem de longe ficará especulando. E contra um adversário desses, o melhor é a velocidade e a aptidão para o gol de extremas como Fernandinho e Everton. Afinal, a estratégia para sair vivo no jogo de ida passa, necessariamente, por mostrar-se vivo.   

Leia outras colunas de Leonardo Oliveira

Compartilhar:

Publicidade