Política

Temer almoça com ministros e relator de voto contrário a denúncia na CCJ

De acordo com o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), os presentes no encontro conversaram somente sobre "amenidades"

Por Agência Brasil
16/07/2017 - 02h47min
Compartilhar:
Foto: Reprodução / NBR

O presidente Michel Temer se reuniu neste sábado (15) com o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), relator que recomendou o arquivamento da denúncia contra ele na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara. Ao lado dos ministros da Educação, Mendonça Filho, e da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, Temer recebeu o parlamentar para um almoço do qual participaram também familiares do deputado e de Imbassahy, que também é do PSDB.

Veja também:
Após parecer contra Temer, Zveiter perde vice-liderança do PMDB na Câmara
Comissão da Câmara recomenda rejeição de denúncia contra Temer
Zveiter questiona troca de membros para favorecer Temer na CCJ

Publicidade

Segundo o deputado, os presentes no encontro conversaram somente sobre "amenidades".

— Não falamos sobre política. Foi uma coisa mais descontraída — disse à Agência Brasil. Ele disse que já havia combinado de almoçar com os ministros, quando Temer telefonou para um deles, convidando-os para o Palácio do Jaburu.

Abi-Ackel foi designado para ler voto contrário à admissibilidade da denúncia por corrupção passiva após os membros da CCJ rejeitarem o parecer do deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) recomendando que o processo seguisse adiante. O relatório do tucano foi aprovado por 41 votos a 24 e deve ser apreciado no plenário da Câmara no próximo dia 2 de agosto.

Seguindo a mesma linha de ministros do governo, Abi-Ackel afirmou que a oposição não deve garantir o quórum de 342 deputados necessários para início da sessão. Para que a Câmara autorize que a denúncia apresentada pela PGR seja analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), são necessários os votos de dois terços da Casa, o que representa 342 deputados.

De acordo com ele, enquanto a matéria não for analisada pelos 513 deputados, a decisão da CCJ prevalece.

— Esse não é um assunto que nos deixa preocupado. Quando tiver o quórum, colocaremos [a votação na pauta. Estou pronto para ler o meu parecer a qualquer momento — afirmou. Nas próximas semanas, apesar do recesso parlamentar, oposicionistas e governistas seguirão discutindo as estratégias para a votação.  

Compartilhar:

Publicidade