Decisão de Moro

Defesa de Lula apresenta recurso contra condenação na Lava-Jato

Ex-presidente foi condenado em processo que envolvia o triplex no Guarujá

Por Zero Hora
15/07/2017 - 18h08min
Compartilhar:
Lula em discurso após condenação feita pelo juiz Sergio Moro na quarta-feira (12)
Lula em discurso após condenação feita pelo juiz Sergio Moro na quarta-feira (12) Foto: Ricardo Stuckert / divulgação

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentaram na sexta-feira (14) o primeiro recurso contra a sentença do juiz Sergio Moro, que condenou o petista a nove anos e seis meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Publicidade

Para Moro, Lula recebeu R$ 2,2 milhões em propina da empreiteira OAS sob a forma de um apartamento triplex no Guarujá (SP) e de reformas e decoração no imóvel, por contratos firmados pela empresa com a Petrobras.

O ex-presidente negou as acusações e, conforme a avaliação de seus advogados, Moro teria tido atuação política na sentença. O recurso serve para esclarecer  "omissões, contradições e obscuridades" da peça, afirmam os advogados.

" O julgamento não passou de uma cerimônia legal para averbar um veredicto já ditado pela imprensa e pela opinião pública que ela gerou (Suprema Corte dos Estados Unidos - Shepherd v. Flórida)" escrevem os advogados logo no início do documento citando outro processo. 

Leia mais:
Conheça os indícios que Moro usou para condenar o ex-presidente Lula
TRF4 vai analisar "provas indiretas" usadas por Moro para condenar Lula
Foto mostra Moro abatido após condenar Lula? É falso

Segundo a petição protocolada pelos advogados Cristiano Zanin Martins, Roberto Teixeira, José Roberto Batochio e Valeska Teixeira Z. Martins, Moro ignora as testemunhas de defesa de Lula, "desrespeita" o petista e aplica uma pena "desproporcional". 

A defesa volta a afirmar que o ex-presidente não é dono do triplex do Guarujá e que o magistrado ignora as provas da defesa de que o imóvel é da OAS. 

"Qual o critério para se dar total credibilidade a um coacusado (Leo Pinheiro) buscando redução de pena e se descartar a veracidade das afirmações de um ex-presidente da Petrobras (Sergio Gabrielli, testemunha de defesa de Lula), de indubitável lisura e probidade — ouvido sob o compromisso de dizer a verdade?", escreve a defesa.

O texto também questiona o uso de matérias jornalísticas por Moro, alegando que elas não constitutem indícios de crime.

O recurso será avaliado pelo próprio juiz, sem prazo.

Leia as últimas notícias de ZH

Compartilhar:

Publicidade